fbpx

Fundamentos de finanças corporativas para contadores
 

1. Introdução

Conhecer os principais fundamentos de finanças corporativas é essencial para o contador se desenvolver no mercado, conseguir mais clientes e adquirir mais conhecimento. Isso tudo não só para executar com qualidade as principais tarefas do dia a dia. Mas também para tomar decisões estratégicas embasadas e assessorar empresas e gestores da melhor forma possível.

Para ingressar no mundo financeiro, é preciso, antes de tudo, entender o conceito de finanças corporativas e outros fundamentos relacionados ao assunto. Este texto será de grande valia para quem está dando os primeiros passos no terreno das finanças. Dentre os temas abordados estão as principais terminologias utilizadas na área corporativa. Além disso abordaremos como diferenciar custos, despesas e investimentos e, ainda, como elaborar um plano de contas eficiente.

Ao longo dos tópicos você entenderá a importância das decisões financeiras para as atividades contábeis e para a própria sobrevivência de uma empresa. Também aprenderá como medir a saúde financeira de um negócio, como avaliar sua rentabilidade e traçar planos estratégicos. Por fim, saberá quais são as principais noções de finanças que você deve dominar. E entenderá a importância do preparo do profissional na elaboração de estratégias e planos para o negócio. Acompanhe.

2. O conceito de finanças corporativas

Todas as decisões financeiras tomadas pelas empresas, assim como as análises e ferramentas utilizadas para essas tomadas de decisão, estão inseridas dentro da área de finanças corporativas.

Entre os objetivos desse campo de conhecimento e dos profissionais que atuam nele, está maximizar o valor de uma empresa para seus acionistas. Além, é claro, de administrar com eficiência todos os riscos envolvidos na administração financeira de um negócio. Isso levará a corporação a alcançar os melhores resultados.

3. Principais terminologias

As finanças corporativas têm algumas terminologias próprias. Para compreender os conceitos fundamentais da área, é essencial saber quais são. Além de aplicá-las no seu dia a dia de trabalho como contador. Veja abaixo:

Ciclo Econômico

O ciclo econômico compreende o período em que o produto ou bem que será vendido permanece no estoque até sua venda. É equivalente ao Prazo Médio de Estoque (PME).

Ciclo Operacional

É o período entre a data da compra e a data do recebimento do valor obtido com a venda do produto. Para calcular o ciclo operacional, é preciso somar o ciclo econômico com o Prazo Médio de Recebimento das Vendas (PMR).

Ciclo Financeiro ou Ciclo de Caixa

Período entre a data do pagamento de uma compra até a data do recebimento da venda da mercadoria. Calcule o ciclo financeiro ou de caixa subtraindo o ciclo operacional do Prazo Médio de Pagamento (PMP).

Giro de Caixa

O giro de caixa é o resultado da divisão do ciclo de caixa ou financeiro por 360 dias. Esse é o chamado ano comercial.

4. Custos, despesas ou investimentos?

Depois de conhecer o conceito e algumas das principais terminologias das finanças corporativas, o ponto essencial para quem quer compreender o básico sobre o assunto é saber como diferenciar o que é custo, despesa ou investimento. Apesar de, à primeira vista, parecerem termos similares, na prática, são bem diferentes para uma empresa. Entenda o que quer dizer cada um deles:

Custos

São considerados custos todos os gastos que são feitos pela empresa na aquisição de bens e/ou serviços que são usados na produção de outros bens e/ou serviços. A compra de uma matéria-prima, por exemplo, é considerada um custo para a empresa.

Também entram nesta categoria salários, encargos e benefícios pagos para o quadro de funcionários de chão de fábrica e aluguel do espaço em que a fábrica funciona. A depreciação de máquinas e equipamentos usados na produção também entra na categoria custos. Tendo isso em mente, é importante entender que os gastos que não estão diretamente relacionados à produção, não devem ser chamados de custos.

Despesas

Se os custos estão relacionados à produção, as despesas são aqueles gastos que a empresa tem para manter sua estrutura organizacional e, também, para ter receitas. Aluguel do escritório; seguro do escritório; salário, encargos e benefícios pagos para os funcionários administrativos; comissões de venda e luz, água e gás consumidos pelo escritório. Todos esses, por exemplo, são considerados despesas.

Investimentos

São considerados investimentos todos os gastos ou aplicações de recursos que são feitos com a expectativa de, no futuro, ter algum retorno financeiro. Os gastos que a empresa tem com a aquisição de bens patrimoniais, como instalações e máquinas, por exemplo são considerados investimentos. A compra de um imóvel para ser a sede da empresa também é considerada investimento.

Tenha em mente que custos, despesas e investimentos são tipos de gastos. Conceitualmente, para as finanças corporativas, pode ser considerado um gasto toda a compra de produto ou serviço que gere sacrifício financeiro para a empresa (desembolso). Esse sacrifício é feito por conta da entrega – ou, então, da promessa de entrega – de ativos, geralmente dinheiro.

É muito importante não confundir gasto com desembolso, que é toda saída de dinheiro do caixa corporativo ou das contas bancárias do negócio. São exemplos de desembolso: pagamentos feitos a fornecedores; pagamentos de contas de consumo, como água, luz, gás, etc. Como exemplos de gastos pode-se citar as matérias-primas que são usadas no processo produtivo, a água utilizada na área de produção de bens que serão vendidos, etc.

Além de custo, despesa e investimento, há, ainda, a perda, que é o gasto que a companhia realiza quando um serviço ou bem tem consumo que foge do normal. Por exemplo, em casos de incêndios, greves, inundações, desmoronamentos e similares.

5. Como elaborar um plano de contas eficiente?

Parte importante da área de finanças corporativa de uma empresa, é o plano de contas. A ferramenta, que também é conhecida como estrutura de contas, é, em linhas gerais, uma lista com todas as contas que são essenciais para que a companhia registre todas as movimentações financeiras e econômicas, assim como os eventos que ocorrem em suas operações e atividades.

Entre os itens que não podem faltar em um plano de contas estão, por exemplo, despesas operacionais, que compreende despesas administrativas (água, aluguel, telefone, energia elétrica, etc). Gastos com pessoal (benefícios, encargos, salários, etc). Manutenção e limpeza (serviços de limpeza, serviços de manutenção, etc). Materiais (materiais de limpeza, materiais de escritório, etc).

Elaborar um plano de contas que seja realmente eficiente é essencial para a gestão financeira da empresa. Esta ferramenta é que irá nortear os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos do negócio. Além disso, o plano servirá como base na hora de elaborar as demonstrações contábeis da companhia. Como o Demonstrativo de Fluxo de Caixa, Demonstrativo de Resultados do Exercício e Balanço Patrimonial.

Um ponto de atenção é que, obrigatoriamente, o plano de contas deve ser feito com base nas Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC) para que, assim, atenda às determinações legais do setor de atuação. Por isso, o plano deve ser estruturado e apresentado como determina a Lei 6.404/76. Ela é conhecida como a Lei das S/A, segundo os Princípios Fundamentais da Contabilidade.

A questão é que, muitas vezes, o plano de contas, por suas restrições, pode não atender aos objetivos da empresa e fornecer todas as informações que os gestores precisam para a tomada de decisões. Por isso, as companhias montam o chamado plano de contas gerencial, que difere do plano de contas somente por incluir/excluir determinadas contas.

Confira dicas para elaborar um plano de contas gerencial eficiente:

Faça uma descrição dos grupos do plano de contas

Um plano de contas deve ser dividido em quatro grupos: Ativos, Passivos, Receitas e Despesas. Dentro de cada grupo específico são criadas contas agrupadoras como, por exemplo, as Despesas Operacionais. Essas, por sua vez, devem ser detalhadas em contas e subcontas. As Despesas Operacionais podem abranger, por exemplo, a conta Despesas Administrativas, que será dividida em subcontas como Água, Energia Elétrica, Aluguel, etc.

Determine contas e subcontas dentro de cada grupo

Cada um dos quatro grupos deve abranger as chamadas contas agrupadoras (também conhecidas como sintéticas). Em Despesas, por exemplo, pode incluir a conta Despesas Operacionais, que por sua vez é dividida em Despesas Administrativas e seus subitens. É importante ter em mente que quanto mais detalhadas forem as suas descrições, mais fácil será o controle financeiro.

Use níveis e subníveis para estruturar as informações

Um plano de contas gerencial realmente eficiente é aquele que permite que as informações sejam visualizadas com facilidade. Para isso, apostar na estruturação em níveis e subníveis é essencial. Veja o exemplo de como dividir o passivo, que é o item 2 do plano de contas:

2. Passivo

2.1 Passivo circulante

2.1.1 Impostos e Contribuições a Recolher

A estrutura base do plano de contas não tem variação considerável. Ainda assim, é essencial montar o documento levando em consideração as características de cada empresa. Isso porque cada negócio tem uma necessidade diferente de registro e análises de informações, com detalhes bem específicos.

6. A importância das decisões financeiras

Tomar decisões financeiras acertadas deve ser um dos principais objetivos de qualquer profissional que trabalhe na área. Toda pessoa envolvida com a administração financeira de uma empresa deve entender que as decisões tomadas pelos gestores das finanças corporativas não são só importantes como, até mesmo, capitais para a sobrevivência da empresa, independentemente do setor de atuação.

O processo de tomada de decisão nas finanças corporativas, a cada ano ganha risco e complexidade cada vez maiores no ambiente empresarial. São vários os pontos que devem ser considerados pelos profissionais que atuam na gestão das finanças. Dentre eles: taxas de juros cobradas, carga tributária, volume de crédito de longo prazo e variações inflacionárias. Além de possíveis alterações nas regras do mercado, que exigem flexibilidade dos contadores.

Para tomar as melhores decisões financeiras, é fundamental entender as funções de um administrador das finanças e como executá-las da melhor forma. Confira:

Planejamento financeiro

O gestor das finanças deve ser apto para identificar quais são os desafios e problemas futuros,. Além de selecionar quais são os ativos realmente rentáveis da empresa e estabelecer uma rentabilidade mínima para cada ativo. Ele também deve saber como evidenciar a necessidade de crescimento do negócio com base em dados e informações contábeis.

Controle financeiro

Tomar as melhores decisões financeiras passa também por acompanhar e avaliar o desempenho das finanças do negócio. Fazer uma análise de possíveis desvios dos indicadores financeiros, realizando uma comparação do que foi previsto no planejamento e do que foi efetivamente realizado. Também é responsabilidade do profissional que atua ligado às finanças corporativas definir medidas corretivas, implementá-las e verificar se elas atingiram o resultado esperado.

Gestão de ativos

Para tomar as melhores decisões em relação às finanças de uma empresa, é preciso estabelecer a melhor estrutura, considerando risco e retorno dos ativos corporativos. Além disso, é necessário acompanhar possíveis defasagens entre entradas e saídas das contas da empresa, como o fluxo de caixa, e administrar o capital de giro com sabedoria.

Gestão de passivos

O administrador financeiro deve gerenciar a estrutura de capital – financiamentos – da empresa. Ele deve garantir que essa estrutura é a melhor em termos de liquidez, redução de custos, e também risco financeiro.

Em resumo, ao atuar com finanças corporativas, a tomada de decisões importantes acontece a todo momento. Por isso, é essencial saber exatamente as funções desempenhadas por quem administra os dados financeiros e contábeis. Além de ter sempre à mão as informações e dados necessários para tomar as melhores decisões relativas às finanças da companhia, seja uma decisão de investimento – onde alocar recursos – ou decisão de financiamento, que é a captação de recursos.

7. Medindo a saúde financeira da empresa

Medir a saúde financeira da empresa é um passo importante para garantir que ela vai crescer e, até mesmo, sobreviver em um mercado cada vez mais competitivo. A questão é que, no meio de tantos indicadores, muitos profissionais ficam na dúvida sobre como eles podem saber qual é a real situação financeira do negócio.  Para facilitar a tarefa, elencamos alguns pontos que não podem deixar de ser considerados para saber se a empresa está realmente indo bem financeiramente:

Fluxo de caixa

Ao analisar o fluxo de caixa, é possível checar a diferença entre as entradas e saídas de dinheiro no negócio em um período de tempo previamente determinado. Por isso, fazer uma avaliação periódica de como está o fluxo de caixa da empresa é uma tarefa importante para saber como está a saúde financeira do negócio em curto prazo. Além disso, permite fazer projeções para o futuro da corporação. Mesmo uma empresa que, à primeira vista pareça ser lucrativa, pode se revelar com a saúde financeira nada saudável, se for verificado que a curto prazo não tem condições de arcar com pagamentos e despesas.

Despesas fixas

São consideradas despesas fixas aquelas que devem ser pagas todos os meses pela companhia, como aluguel, contas de luz, internet e água, e outras despesas do tipo. Como são valores que devem ser pagos todo o mês, para verificar se a empresa está realmente saudável financeiramente, é importante avaliar se o negócio tem recursos suficientes para quitar essas despesas mês a mês.

Lucro líquido

Indicador muito usado para medir a saúde financeira de uma empresa, o lucro líquido é obtido após a subtração das despesas – independentemente de serem operacionais ou não. Ele inclui valores como juros de possíveis empréstimos, tributos e impostos. Se a empresa não estiver gerando lucro suficiente para ser reinvestido no negócio e remunerar todos os seus sócios de forma satisfatória, alerta vermelho. É sinal de que a saúde financeira não vai bem.

8. Avaliação de rentabilidade

Parte importante na gestão de finanças corporativas é acompanhar a rentabilidade da empresa. O ideal é fazer uma avaliação, pelo menos duas vezes ao ano, se os produtos e/ou serviços do negócio continuam rentáveis. É relativamente comum que uma empresa descubra que seus produtos, processos, e até mesmo clientes, não são tão rentáveis quanto se imaginava. Veja alguns pontos que podem ajudar a avaliar se a empresa é rentável:

Margem de lucro

A margem de lucro é o indicador que fornece o panorama geral da rentabilidade de uma empresa. Para calculá-la, divida o lucro líquido pela receita do negócio. Para saber se a margem de lucro satisfatória, use os padrões do setor de atuação da empresa como referência. Não deixe de fazer, todos os anos, uma comparação interna para avaliar se o desempenho corporativo melhorou ou piorou.

Margem de lucro bruto

Empresas que trabalham com produtos físicos podem usar a margem de lucro bruto para avaliar a rentabilidade dos bens de venda. Para calcular o lucro bruto total, é preciso subtrair o custo dos produtos vendidos da receita das vendas. Ou seja, em linhas gerais, o lucro bruto é o valor depois de deduzir custos diretos de matérias-primas e mão de obra, e custos indiretos de fabricação de mercadoria. No entanto, ele não considera as despesas corporativas.

Análise das despesas

É especialmente útil em momentos em que as despesas operacionais parecem estar aumentando. Para fazer esta análise, compare o percentual das suas despesas operacionais de dois anos ou mais. Assim você pode ver se está gastando mais do que devia. E, consequentemente, comprometendo a rentabilidade do negócio.

Lucro por segmento

Outra forma de avaliar a rentabilidade da empresa é descobrindo qual é o lucro por segmento. Para isso, você deve segmentar o negócio em linhas de serviços ou produtos. Assim saberá qual área (ou áreas) têm o maior lucro líquido e maior receita. Há duas formas de identificar o lucro por segmento: saber qual é a receita e quais são os custos específicos que estão ligados a cada segmento ou usar um plano de alocação de custos para distribuir custos indiretos de fabricação de cada linha de serviços ou de produtos.

9. Traçando planos estratégicos

O planejamento estratégico é essencial para o sucesso de qualquer plano financeiro. Por isso, é importante saber que definir de forma clara a missão e os objetivos da empresa é um cuidado essencial para construir um plano financeiro eficaz e manter as finanças corporativas saudáveis.

Por meio do planejamento é possível avaliar os caminhos estratégicos que a empresa deve seguir para crescer e alcançar a rentabilidade desejada. O plano estratégico deve ser transformado em números e ser aprovado por todos os gestores, para que todos estejam alinhados e trabalhem juntos em prol de conseguirem atingir as metas definidas.

Após a criação dos planos estratégicos, chega o momento de criar o orçamento, que é considerado o plano tático. O orçamento nada mais é do que quanto custará para a empresa colocar os planos estratégicos em prática. Para funcionar, é preciso quantificar de forma detalhada os planos estratégicos, transformando-os em orçamentos de receitas e despesas mensais. Uma projeção do fluxo de caixa da empresa também é importante. Com ele é possível identificar quais são as melhores formas de financiar o capital de giro necessário para manter o negócio operando.

Dentro do escopo dos planos estratégicos, estão ainda outras tarefas. Como, por exemplo, definir a estratégia de preços da empresa e decidir sobre projetos que podem ajudar a melhorar a rentabilidade de cada bem de venda.

10. Dominando as principais noções de finanças

Investir em capacitação é a chave para dominar as principais noções de finanças. Para adquirir estes conhecimentos essenciais para a atividade do contador, aposte em treinamentos via internet, cursos de curta duração, materiais online, palestras e workshops. Ao aprimorar suas habilidades e se atualizar em finanças, a execução de tarefas corriqueiras fica mais fácil, já que você passa a compreender o aspecto macro de decisões contábeis.

11. Conclusão

Dominar os principais fundamentos de finanças corporativas é muito importante para contadores se destacarem no mercado. Ter o conhecimento necessário para elaborar estratégias e planos para o negócio faz toda a diferença e valoriza o profissional perante às empresas.

Para evoluir ainda mais na profissão, não deixe de conhecer as principais terminologias das finanças corporativas. Sempre se atualize em relação aos principais conceitos da área que, assim como o mercado, está em constante evolução.

Procure não ficar restrito apenas aos aspectos contábeis. Busque sempre informações também sobre finanças corporativas para conseguir prestar o melhor serviço possível aos seus clientes. Aliada às finanças corporativas, a contabilidade se torna estratégica para negócios de todos os portes e segmentos. Capacite-se, sempre leia sobre o assunto e os resultados não demorarão a aparecer.

Gostou do artigo? Então não deixe de conferir o guia de organização e responsabilidades do contador!

Curso Finanças para não contadores

More in this category: Mapa de competências: o que é e qual a sua importância? » Tire aqui suas dúvidas sobre sucessão empresarial! » Como elaborar um programa de treinamento na sua empresa? » Entenda o impacto da tributação na tomada de decisão da empresa » Tudo sobre treinamento e desenvolvimento de pessoas em empresas » Case de sucesso: a experiência com nossos cursos EAD » O que você precisa saber sobre cultura organizacional está aqui! » Quais são os impactos de uma metodologia de ensino na formação profissional? » Transformação financeira: como liderá-la em uma empresa? » 3 aplicações práticas dos instrumentos financeiros derivativos e não derivativos » 6 sites e portais que todo contador deve conhecer » Habilidades de contabilidade: por que profissionais de outras áreas devem adquiri-las? » O que fazer para se manter atualizado no mundo contábil? » Crise econômica: 7 lições que um contador deve levar consigo para uma retomada financeira » Like a boss! Desenvolva as habilidades gerenciais necessárias para ser um ótimo gestor » Trilha de Carreira: veja como usar a ferramenta para alcançar seus sonhos! » Afinal, por que advogados devem estudar contabilidade? » 8 dicas para vencer a concorrência no mercado de trabalho contábil » Entenda o que é crime tributário e saiba como evitá-lo » Como chegar mais rapidamente em um cargo de liderança? » 9 dicas de gerenciamento do capital de giro » Arrendamento mercantil: quais são as diferenças no Brasil e no exterior? » [Case de Sucesso] BLB Brasil Escola de Negócios e Grupo Farroupilha » Crescimento horizontal e vertical: entenda suas principais diferenças » Compreenda o método GTD e saiba como ele pode ajudar você nos estudos » Diferenças e aplicações do ponto de equilíbrio contábil, financeiro e econômico » Está com alguma dívida ativa? Saiba como sair dessa! » Como as dívidas podem interferir no grau de investimento da sua empresa » Descubra as metodologias para otimização de tempo nos estudos » Panorama sobre combinação de negócios » Conheça as diferenças entre tributo e multa tributária » Você sabe o que é DVA? Entenda! » Jim Collins: 5 lições do guru da AMBEV » Contabilidade industrial: 5 dicas para você aplicar na sua empresa » Fui promovido após o curso da BLB Brasil Escola de Negócios: case de sucesso do aluno Fagner Oliveira » DMPL: o que é e qual o seu papel? » As 6 novas responsabilidades de um CFO moderno » Conheça os momentos mais estratégicos para capitalizar a empresa » Qual a diferença entre demonstração financeira e contábil? » Existe diferença na tributação do ICMS de loja física e online? » 9 estilos de liderança e qual é mais recomendado para cada situação » Saiba por que há normas contábeis mais restritas para PMEs » Veja o que fazer para cumprir a NBC PG 12 – Educação Continuada para Contadores » Entenda melhor o recolhimento da CSLL » 7 tendências de tecnologia para a área contábil » O que fazer para evitar passivos trabalhistas? » Liderança: artigo de luxo no planeta » Quais são os ativos obrigados ao Teste de Recuperabilidade (impairment)? » Como se preparar para ser um auditor contábil? » É melhor ser um contador autônomo ou abrir um escritório? » Saiba estruturar uma controladoria contábil nas empresas » Como a liderança impacta diretamente a motivação de uma equipe » Entenda como o Open Banking vai mudar os serviços de contabilidade » 8 erros de um fechamento contábil mensal que você deve evitar » Você está preparado para as mudanças que o eSocial vai provocar? Veja aqui! » Você sabe mesmo estudar? Saiba montar um planejamento de estudo mais produtivo » Afinal, o que é o passivo ambiental? » 3 novas normas contábeis para 2018 » Veja por que você deve investir em sua própria capacitação profissional » Compreenda a importância da educação continuada nas empresas » Saiba como funciona uma auditoria SPED! » O que é a tabela CFOP e qual a sua funcionalidade? » Saiba mais sobre os benefícios do planejamento patrimonial e societário » Profissional controller: entenda a importância de ter um em sua empresa » Quanto vale meu negócio? Aprenda a calcular o valor da empresa » Entenda como funciona a contabilidade fiscal de uma vez por todas » O que é EBITDA e como fazer seu cálculo corretamente? » 5 relatórios gerenciais imprescindíveis para qualquer negócio » O uso dos certificados digitais gera vantagem competitiva! Entenda como isso ocorre » O que é contabilidade rural? » Treinamento de liderança: por que devo investir? » Confira essas 7 carreiras de sucesso no mercado financeiro! » 5 erros nos lançamentos contábeis que as empresas ainda cometem » Confira 9 técnicas de negociação para colocar em prática na sua empresa » O que é SPED fiscal? Saiba como gerá-lo com sucesso! » Como ter um efetivo desenvolvimento de liderança na empresa? » Carreira de contabilista: tipos de cargos, dicas de cursos e especializações » Ativo intangível: reconhecimento contábil » CPC-01: Redução do Valor Recuperável de Ativos » Plano de carreira para o contador: como fazer e qual sua importância » Quais as vantagens das leis de incentivos fiscais? » Contabilidade empresarial: o que é? » O que é o CPC 29 e quais as definições sobre Avaliação de Ativos Biológicos e Produtos Agrícolas? » A importância da avaliação dos índices contábeis de uma empresa » Capacidade técnica como base de liderança para o sucesso do negócio » Como ser um líder nos dias de hoje? » Confira aqui alguns mitos e verdades sobre o ensino a distância » Você sabe mesmo o que é contabilidade de hedge? » O que todo empreendedor contábil deve saber sobre o SPED! » 7 dicas para melhorar a sua produtividade no trabalho » Abertura de mercado de capital: entenda o processo com facilidade! » Como funcionam os cursos apostilados? » Quais as decisões contábeis mais importantes para aquisição de empresa? » É melhor fazer um curso presencial ou online? » SPED Contábil: o que é e como funciona? » Contabilidade Agropecuária: você sabe como funciona? » Conheça a diferença entre habilidade e competência » Guia grátis – Guia de sucesso para capacitação na área contábil » Entenda mais sobre a aplicação de BI para área de contabilidade » Segurança da informação: o que é e como mantê-la no setor contábil? » 8 competências profissionais que todo bom contador deve buscar » Due Diligence: você sabe o que é e como interfere na área contábil? » Cursos online: descubra como é a aceitação no mercado de trabalho » Treinamento de equipe: como executá-lo em sua empresa? » Qual a importância da tecnologia para a área contábil? » eBook grátis – Manual Definitivo do eSocial: entenda qual é o impacto nas empresas » Disciplina nos estudos online: o passo a passo para estudantes de EaD » Entenda como fazer uma gestão de custos e preços eficiente » Ativo e passivo: saiba como mensurar os resultados » Saiba como usar os incentivos fiscais para o crescimento empresarial » Regime de caixa e regime de competência: veja as diferenças e saiba como usá-los » Conheça 7 dicas para ter uma área de contabilidade melhor » Entenda a importância das demonstrações contábeis » Qual o papel do Controller na gestão empresarial? » Demonstração do resultado do exercício: como fazer para ter um 2017 de sucesso? » Descubra diferentes formas de obter uma atualização profissional » Conheça 7 livros de contabilidade gerencial mais relevantes no mercado » Saiba a importância do fechamento mensal em uma empresa e veja como fazer » O que é balanço patrimonial e como aplicá-lo? » eBook grátis Manual Definitivo da Auditoria Contábil » Conheça as alterações para declarar o imposto de renda de 2017 » CMV: o que é e como calcular » Cancelamento de Nota Fiscal: entenda mais sobre o assunto » Conheça 10 vantagens do planejamento tributário para uma empresa » Entenda tudo sobre compliance » Ainda vale a pena fazer um curso presencial? » Veja como preparar a sua equipe para uma auditoria anual » eBook grátis ­– Guia Básico de Contabilidade para não Contadores » Saiba como montar processos de auditoria » Entenda quais são os tipos de impostos para cada tipo de empresa » Dicas para contratar um profissional de contabilidade para o time » Saiba o que é um curso eLearning » Qual é a importância da nota fiscal eletrônica? » O que fazer para qualificar a contratação de funcionários? » Entenda a importância da contabilidade de custos para um negócio » Como funciona o setor de finanças empresariais? » Veja como as informações contábeis são importantes nas tomadas de decisão » Conheça as melhores práticas de treinamento de funcionários » Entenda a importância da conciliação bancária » O que é contabilidade societária? » Entenda o que é CND » Contabilidade internacional: entenda mais sobre isso » Contabilidade empresarial: o que é? » Entenda a relação entre contabilidade e certificado digital » eBook grátis – Um Guia sobre Instrumentos Financeiros na Contabilidade » Saiba o que é a DRE na contabilidade » Veja como emitir o DANFE » Quais são as vantagens de fazer um curso online? » Veja as dicas para quem busca profissionalização em contabilidade » Entenda o que é CMN » Entenda a importância de um planejamento tributário em uma empresa » Como anda o mercado de trabalho em contabilidade » Saiba mais sobre a adoção das IFRS para PME e a revisão proposta pelo CFC » Entenda como reestruturar uma empresa financeiramente » Como se planejar para fazer mais cursos e especializações? » Como é o trabalho em uma auditoria contábil? » IFRS para Pequena e Média Empresa » Saiba da importância da matemática financeira nas empresas » Conheça algumas dicas para estudar online » Entenda a importância da conduta ética no ambiente de trabalho » Contabilidade tributária: entenda mais sobre o assunto » O que é a escrituração contábil digital? » O que é e qual a importância do contrato de prestação de serviços? » Avaliação a Valor Justo ou Fair Value: o que você precisa saber sobre o assunto? » 8 competências profissionais que todo bom contador deve buscar » Lucro real e lucro presumido: entenda as diferenças » Balanced scorecard na contabilidade: como implantar? » Ética empresarial: saiba o que é e qual a sua importância » Guia de organização e responsabilidades do contador » Como fazer um planejamento estratégico de finanças? » 8 erros na gestão financeira da sua empresa que precisam ser evitados » O que falta saber sobre a Lei de responsabilidade fiscal? » Nova forma de fiscalização do CFC: quais são as mudanças? » Plano de carreira: como o coaching pode ajudar na sua vida profissional? » 4 indicadores financeiros para analisar a saúde financeira da sua empresa » Contador 2.0: o que você precisa saber para ser um profissional de destaque? » O que é o CPC 29 e quais as definições sobre Avaliação de Ativos Biológicos e Produtos Agrícolas? » 8 fatores que garantem uma mudança organizacional de sucesso » O que é um fundo de reserva? Descubra mais sobre esse recurso » 7 maneiras de desenvolver lideranças consistentes na sua equipe! » Contabilidade estratégica: como tornar uma empresa mais competitiva? » Nova forma de fiscalização do conselho federal de contabilidade: quais são as mudanças? » eBook – Guia Completo do Programa de Educação Profissional Continuada » Como se manter atualizado na área de contabilidade? » Ensino a distância auxilia no seu aprendizado mesmo durante a crise? » Entenda mais sobre o CPC 32: tributos sobre o lucro » Como inovar no setor de contabilidade pode alavancar os resultados da empresa? » Instrumentos financeiros: Entenda do que se trata a norma IFRS 9 » Bloco K para 2017: O que vai mudar na sua empresa e como se adequar? » Contabilidade de Hedge: entenda o conceito e como ele pode ajudar sua empresa! » Instrumentos financeiros: entenda os fundamentos » Como escolher um curso de contabilidade que atenda às suas expectativas? » Como investir na carreira e buscar uma especialização em contabilidade? » International Financial Reporting Standards: o que sua PME precisa saber » Planejamento de carreira: 7 erros que podem destruir sua vida profissional! » Qual a importância da tecnologia na contabilidade para os profissionais da área? » Quais as vantagens de um planejamento estratégico para a área de contabilidade? » 5 dicas para você deixar de ser chefe e entender como ser um líder! » 9 séries de TV que todo profissional de contabilidade precisa assistir! » O que é educação profissional continuada e por que você precisa investir nisso? » 9 práticas para fazer um networking de sucesso! » Curso de extensão em contabilidade: por que continuar estudando? » 6 tendências da contabilidade para você acompanhar » O que é PEPC? Entenda mais sobre o programa » Pare e reflita: você está satisfeito com a carreira? » Plano de contas: entenda por que é importante desenvolvê-lo! » Curso de Contabilidade online: vale a pena fazer? » Habilidades gerenciais: seja um ótimo gestor! » Como aproveitar um Curso de Contabilidade online? » Cursos In Company: o que são e por que contratá-los? » Controller: o que é e o que faz? Saiba agora! » Gestão de patrimônio: como fazer o teste de impairment » Obrigações legais referentes ao planejamento financeiro » Qual o papel da gestão da inovação nas empresas? » Liderança: é possível desenvolvê-la? » Gestão da mudança organizacional: o que é e como deve ser feita » Saiba o que um contador pode fazer por sua empresa » Guia básico de contabilidade para não contadores » Quais campos da contabilidade oferecem boa remuneração? » Por que contabilidade e gestão devem andar juntas? » Entenda as vantagens da comunicação entre os departamentos contábil e jurídico » Como o conhecimento da legislação impacta na carreira contábil? » Qual a importância da definição dos ativos fixos em sua empresa? » Você conhece o teste de recuperabilidade de ativos? » Sua empresa está pronta para o Bloco K? » Imposto de renda diferido: você sabe o que fazer nessas situações? » Por que contratar a consultoria contábil e jurídica para sua empresa? » A importância do atendimento ao cliente para os contadores » O que mudou no exercício profissional do contador? » Como abrir seu próprio escritório contábil » Contabilidade gerencial: o que é e qual sua importância » O que é e como funciona a contabilidade tributária » Conciliação bancária: o que é e por que fazer » A importância da comunicação do contador com os setores da empresa » Entenda a valorização do profissional contábil » Entenda a afirmação “a contabilidade é a língua dos negócios” » A importância da reciclagem de conhecimento para o contador » Entenda por que contadores são os grandes parceiros das PMEs » 6 filmes que todo contador deve assistir » 7 grandes contabilistas para se inspirar » 4 motivos para o contador nunca parar de estudar » 7 diferenciais que seu escritório de contabilidade deve ter » 8 motivos para fazer cursos de reciclagem para contadores » O que é preciso para abrir um escritório de contabilidade? » Norma NBC PG12: tudo o que você precisa saber sobre o programa de Educação Profissional Continuada » 6 livros que todo profissional de contabilidade deveria ler » O que são as normas internacionais de contabilidade (IFRS)? » O que é preciso para ser um contador de sucesso? » Nova contabilidade: entenda como ela impacta os contadores » Employee Value Proposition: base para retenção de talentos » Balanço Patrimonial – O que é e qual sua estrutura? » Capital humano: é preciso investir » Gestoras de private equity estão de olho no mercado brasileiro » Regras sobre adoção de novos critérios contábeis e tributários são regulamentadas » Regime especial tributário nas incorporações imobiliárias » Fusões e aquisições de empresas: e o consumidor com isso? » Parecer normativo da RF trata da tributação das permutas de imóveis » Encargos financeiros sobre empréstimos e financiamentos » MP 627 de 2013 é convertida em lei com vedações e reabertura Refis » Usinas poderão utilizar-se de créditos PIS/Cofins » Encargos financeiros sobre empréstimos e financiamentos » Instrumentos financeiros – Conceitos básicos das normas IFRS » Como os contadores podem acompanhar as mudanças no mercado » 8 vantagens de aprender com o eLearning »
Post anterior O que fazer para qualificar a contratação de funcionários?
Next Post Qual é a importância da nota fiscal eletrônica?

Add Comment

[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]